Professor de Canto no Instituto Baccarelli, Lício Bruno é mestre em performance, aperfeiçoou-se na Academia Franz Liszt em Budapeste. Recebeu o Prêmio Carlos Gomes 2004, a “Ordem do Mérito Cultural Carlos Gomes” (SBACE-SP), é condecorado pela ONU e vencedor de 10 concursos nacionais e internacionais. Tem mais de 80 personagens em óperas e é o único brasileiro a ter interpretado Wotan/Wanderer da tetralogia wagneriana. Atua no Brasil, Europa, América Latina e Indonésia.

Professor de clarinete e de música de câmara no Instituto Baccarelli, Edmilson Nery Iniciou os estudos de clarinete na Escola Municipal de Música de São Paulo com Rafael Galhardo Caro. Participou de várias orquestras em São Paulo tais como a Orquestra Juvenil do Estado de São Paulo, a Nova Sinfonieta e a Nova Filarmonia. Atuou como primeiro clarinetista da Osesp de 1981a 2004 e como professor de clarinete na Escola Municipal de Música de São Paulo de 1989 a 2011. É constantemente convidado a participar de importantes Festivais de Música como os de Curitiba, Itú, Poços de Caldas, Brasília e Campos do Jordão. Integra o grupo de clarinetistas Sujeito a Guincho, vencedor do Prêmio Eldorado de Música em 1995 e o Prêmio Sharp de música de melhor álbum de grupo instrumental em 1996. Atualmente é também professor de Música de Câmara na Emesp (Escola de Música do Estado de São Paulo).

Professor de clarinete no Instituto Baccarelli, José Luiz Braz é Bacharel em clarinete pela UNESP, Foi bolsista de aperfeiçoamento “Vitae”, de 2003 a 2005 sob orientação de Sérgio Burgani, com a pesquisa e interpretação do repertório solo para clarinete, linguagem musical, que se torna foco em sua carreira de intérprete. Atuou como clarinetista da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo de 2001 a 2017 e como Solista a frente da Orquestra de Câmara da UNESP, Banda Sinfônica do Estado de São Paulo e Banda Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo. Em 2007 participou do 43º Festival Música Nova com o “Ensemble Opera Nova Zürich”. Em 2012 da primeira edição do Festival Música de Agora no Itaú Cultural e das temporadas de 2014 e 2015 do Festival Internacional Música Estranha, além de ser convidado a participar de inúmeras orquestras, como a Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo e grupos camerísticos como o “Câmara Nova” e “Núcleo Réplica”. Premiado na categoria Interpretação pelo 14° Concurso Ritmo e Som (UNESP) e no XVI Jovens solistas de Piracicaba. Atualmente é também professor de clarinete no Auditório Ibirapuera, diretor artístico do “In’Diálogos- clarinete solo e intervenções artísticas e clarinetista do Quinteto moderno de sopro.

Professor de contrabaixo do Instituto Baccarelli, Carlos Eduardo Gomes, natural de São Paulo, é graduado em Letras-Licenciatura (Usp) e em Música-Licenciatura (Unimes). Estudou contrabaixo na EMM-SP com o professor Max Ebert e com o professor Gunter Klaus (Hochschule für Musik und Darstellende Kunst Frankfurt am Main). Integrou diversos grupos orquestrais como a Orquestra Sinfônica Juvenil do Estado São Paulo, Orquestra Sinfônica de Santo André , a Orquestra Experimental de Repertório, a Sinfonia Cultura, a Camerata Fukuda entre outros. Também atuou como convidado na Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e Orquestra Sinfônica da USP. Atualmente é integrante (solista) da Orquestra do Theatro São Pedro e professor no Projeto Guri, além do Instituto Baccarelli.

Professor de Contrabaixo no Instituto Baccarelli, Gustavo é natural de Florianópolis, Santa Catarina, e diplomou-se em música pela Universidade de São Paulo (USP), sob orientação instrumental de Henrique Autran Dourado, tendo recebido “Láurea por Excelência Universitária” das mãos de seu reitor. É duplamente pós-graduado em contrabaixo, como bolsista da Fundação Vitae, em Mannheim e Colônia, Alemanha, nos cursos “Konzertexamen”, sob orientação de Christoph Schmidt, e “Orchesterexamen”, sob orientação de Veit-Peter Schüssler.

Na Europa, participou como contrabaixista em concertos e produções operísticas em orquestras como: Orquestra Filarmônica de Stuttgart, Ópera de Krefeld-Mönchengladbach e Orquestra Sinfônica do Baixo-Reno (Solo-Contrabaixo), Orquestra de Câmara de Hannover (Solo-Contrabaixo), Orquestra Sinfônica da Rádio de Colônia (WDR), Orquestra Filarmônica de Hamburgo, dentre outras.

O músico dedica-se também à composição e à regência desde seus primeiros anos universitários e foi orientado por importantes professores, destacando-se Willy Corrêa de Oliveira (USP), em composição, e Pablo Assante (Regente Titular do Coro da Staatskapelle Dresden), em regência.

Entre 2009 e 2015 foi Diretor Artístico da Orquestra Filarmonia Santa Catarina, tendo colaborado com relevantes solistas e compositores de diversos países.

Seu Divertimento para Cordas foi selecionado e estreado pelo Projeto Performance da  Orquestra Sinfônica da Unicamp. Importantes são também seus esforços relativos à produção de novas obras para contrabaixo solista, salientando-se a estreia das obras de Willy Corrêa de Oliveira a ele dedicadas: “Folhas d’Álbum” e “Instantâneos desde o Peixe-Boi”.

O contrabaixista tem atuado frequentemente como solista, recitalista, camerista, músico de orquestra, e ainda em diferentes produções fonográficas junto a destacados grupos e ensembles por todo o Brasil. Relevantes são seus trabalhos com Said Tuma, duo de contrabaixo e piano, e com Juan Rossi, duo de violino e contrabaixo, uma inusitada formação. Gustavo Fontes é pós-graduando em musicologia na Universidade de São Paulo (USP), sob a orientação da destacada musicóloga Flavia Toni.

Professor de contrabaixo coletivo do Instituto Baccarelli, Marcio Rampin estudou contrabaixo acústico em Tatuí, e integrou alguns grupos da escola como orquestras, corais e música de câmara. Profissionalmente foi músico de baile e da noite por muitos anos em Araçatuba, onde foi também contrabaixista da Camerata Araçatuba. Foi músico da Banda Sinfônica de Cubatão e acompanha vários cantores e cantoras, além do seu trabalho instrumental no grupo Quadrivium. É professor do curso de cordas coletivas da EMESP (antiga ULM Universidade Livre de Música) há 14 anos.

Professor de contrabaixo do Instituto Baccarelli, Marco Delestre iniciou os estudos de música aos seis anos. Aos quinze, começou a estudar contrabaixo com seu pai, membro da Sinfônica do Theatro Municipal do RJ. Graduou-se com nota máxima na classe do professor Eugene Levinson da Juilliard School. Foi finalista no Juilliard School Concerto Competition e venceu Concurso Nacional de Cordas Paulo Bosísio. Atua como professor da FUTURONG e no projeto “Do Aço ao Clássico” de Volta Redonda. Apresentou-se junto ao Quarteto Camargo Guarnieri e, em 2002, participou do concerto de câmara de inauguração da Orquestra Jovem das Américas, sob regência de Plácido Domingo. Trabalhou como maestros como John Neschling, Roberto Minczuk, Cláudio Cruz, Otto-Werner Müller, Krzysztof Penderecki, Yan Paschal Tortelier e Gennady Rozhdestvensky. Atuou na Sinfônica Brasileira, na Petrobrás Sinfônica e na Juilliard Symphony, tendo se apresentado em teatros como Alice Tuly Hall, Avery Fischer Hall e Carnegie Hall.

 

Taís Gomes é primeiro contrabaixo na Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo. Possui graduação em Música pela Universidade de Brasília (2005) e especializou-se no Conservatorio Santa Cecilia di Roma (2009), concluindo com nota máxima e louvor sob orientação de Massimo Giorgi. Aperfeiçoou-se com Giuseppe Ettorre na Scuola Musicale di Milano e com Antonio Sciancalepore. É mestranda em Performance na Unesp e desenvolve projetos em música de câmara, além de repertório brasileiro e contemporâneo para contrabaixo.

Iniciou seus estudos aos sete anos na Escola de Música de Brasília, com flauta doce, piano e oboé, e aos treze começou no contrabaixo com o professor Ricardo Vasconcelos. Vencedora de diversos concursos nacionais, aos dezesseis fez sua estréia como solista com a Orquestra Sinfônica da Bahia e posteriormente frente à orquestra Petrobrás Pró-Música. Ganhou prêmios também na Itália: 1º lugar no Concurso Wherter Benzi (Alessandria), 2º lugar no Concurso Caimmi (Bertinoro) e 3º lugar no Premio Valentino Bucchi, Música do Século XX para contrabaixo (Roma).

Foi membro da Youth Orchestra of the Americas e da Jeunesses Musicales World Orchestra, integrando em tournées pela América do Sul e Europa. Tocou em orquestras como a Filarmonica della Scala, Orchestra del Teatro alla Scala, Accademia Nazionale di Santa Cecilia, Teatro Reggio di Parma, Roma Sinfonietta, Orchestra Italiana del Cinema e Orquestra Sinfônica da USP. Ao longo de sua carreira orquestral, trabalhou com regentes como Gustavo Dudamel, Valery Gergiev, Semion Bichkov, Carlos Miguel Prieto, Daniel Baremboim, Ricardo Chaily, John Neschling e Roberto Minczuk. Participou de inúmeros concertos, turnês e gravações de trilha sonora com o premiado compositor Ennio Moricone.

Professor de fagote do Instituto Baccarelli, Ronaldo Pacheco é natural de Belém do Pará e estudou com Afonso Venturieri. Iniciou sua graduação na Unicamp, sob orientação de Paulo Justi, formando-se na Faculdade Carlos Gomes (SP). Venceu os concursos Jovens Solistas de Piracicaba e Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo. Iniciou sua carreira profissional aos 16 anos, como fagotista da Orquestra Sinfônica de Campinas e, em 1988, foi convidado por Flávio Florence a ocupar o cargo de professor e primeiro fagote da Sinfônica de Santo André. Também atuou como primeiro fagote da Orquestra do Theatro Municipal de São Paulo durante 30 anos. É convidado das mais importantes orquestras brasileiras, tendo se apresentado com Isaac Karabtchevsky, Diogo Pacheco, Jamil Maluf, Roberto Tibiriçá e Ligia Amadio, entre outros. Integra o quinteto de sopros Conclave, com o qual já realizou turnês pelo Brasil e Alemanha e lecionou nos festivais de Campos do Jordão, Poços de Caldas e no XXI Festival Internacional de Inverno de Domingos Martins – ES.

Mestre em música (performance) pela UFMG, sob orientação de Mauricio Freire, é bacharel em flauta pela UNESP e formado na EMESP, tendo estudado com Jean Noel Saghaard, Marcos Kiehl, Jessica Dalsant e José Ananias. Participou ativamente de masterclasses com Emanuel Pahud, Michel Debost, Keith Underwood e Benoit Fromanger. Estudou na Itália no curso de verão DILS, com Gianpaolo Prieto. Foi spalla da Banda Sinfônica Jovem do Estado de SP e bolsista (e posteriormente monitor de naipe) na Orquestra Experimental de Repertório, onde ganhou duas vezes o concurso Jovens Solistas. Foi músico convidado na Orquestra Sinfônica Municipal, sob regência de John Nescling. Como professor, integra o Projeto Guri e o Instituto Baccarelli.

Professor e coordenador dos instrumentos de Sopro e Percussão no Instituto Baccarelli, Michel de Paula é Natural de Jundiaí e iniciou os estudos musicais aos 6 anos de idade. Bacharel pela UNICAMP, transferiu-se para Paris, onde estudou na École Normale de Musique e posteriormente (Mestrado e Doutorado) na Musikhochschule Luzern, na Suíça. Atuou em concertos na Europa (Irlanda, Suíça, Alemanha, Itália, França), E.U.A. (Carnegie Hall de Nova Iorque), Ásia e África, além de ter participado como “artista convidado” dos Festival de Flauta Sir James Galway (edições 2011e2013) em Weggis (Suíça). Após 20 anos na Suíça, transferiu-se para a cidade de São Paulo onde atuou como convidado do maestro John Neschling na Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal. Atualmente é diretor artístico da Music4EventsBrasil, empresa criada por ele na Suíça, que oferece música de excelência para casamentos e eventos desde 2003.

Professora de Flauta do Instituto Baccarelli, Mônica Camargo é bacharel em Flauta Transversal pelas Faculdades de Artes Alcântara Machado. Estudou com Jean-Noël Christian Paul Marie Saghaard, Tadeu Coelho e Renato Axelrud, além de participar de masterclasses com Julius Baker, Lars Nielsen e Keith Underwood, entre outros. Na área de pedagogia Suzuki, cursou Filosofia com Carolyn Fraser no Festival Internacional Suzuki do Peru e os Livros 1, 2 e 3, sob a orientação de Kelly Williamson (Canadá). Como instrumentista tocou na Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, na Orquestra Experimental de Repertório e em musicais como O Fantasma da Ópera, A Bela e a Fera e Miss Saigon. É flautista e chefe de naipe da Orquestra Sinfônica de Santo André.

Professor de flauta do Instituto Baccarelli, Rogério Wolf dedica-se atualmente a concertos como solista e camerista, após mais de 25 anos como primeira flauta da Osesp, Osb e Sinfônica do Espírito Santo. É presidente da Associação Brasileira de Flautistas- ABRAF, professor na Escola Superior de Música da Faculdade Cantareira–SP, Escola de Música do Estado de São Paulo Em 2015 foi membro do júri do III Concurso Internacional de Flauta Maxence Larrieu em Nice, França, gravou com a Sinfônica da Rádio de Budapeste seu CD Imagens e deu aulas no Conservatório Superior de Genebra, Suíça, como professor convidado. Atuou como solista em diversas orquestras, entre elas Osesp, Ospa, Sinfônica da USP, Sinfônica de Ribeirão Preto, Orquestra Sinfônica de Campinas, Orquestra Sinfônica de Santos, Sinfonica Nacional do Paraguay, Amazonas Filarmônica e Sinfônica do Espírito Santo. Frequentemente realiza recitais e masterclasses em diversos lugares do mundo como Estados Unidos, Espanha, Alemanha, França, Suíça, Rússia, Finlândia, Equador, Argentina, Costa Rica, Portugal e Eslovênia.

Em 2002, aos 10 anos de idade, iniciou seus estudos de música no Instituto Baccarelli fazendo parte do Coral. Dois anos depois começou a ter aulas de Flauta Transversal com o professor Rogério Wolf na mesma instituição e em 2013, aulas de Piccolo com o professor Michel de Paula.

No ano de 2006 ingressou na Orquestra Juvenil Heliópolis do Instituto Baccarelli. Participou de várias Masterclasses oferecidas pelo instituto, com flautistas de grandes orquestras pelo mundo. Dentre eles foram: Martin Michael Kafler (flauta), da orquestra Filarmônica de Munique (2010); Michel de Paula (piccolo); Andrea Lotscher (piccolo), da orquestra de câmara de Basileia (2014); Isabelle Schnoller (flauta), da orquestra de câmara de Basileia (2014); Natalie Schwaabe (flauta), da Orquestra Sinfônica da Rádio da Baviera (2014); Michael Faust (flauta) (2015); Fabiola Alves (piccolo), Osesp (2015); Walter Auer (flauta), da orquestra Filarmônica de Viena (2016); Andrea Oliva (flauta) (2016) e Gary Woodward (flauta), professor da Azusa Pacific University (2017).

Em 2016 participou da 34ª Oficina de música de Curitiba tendo como professor Lukasz Dlugosz e foi integrante como piccolista da orquestra Sinfônica da Oficina. No ano de 2017 o 18º Festiva Música nas Montanhas em Poços de Caldas (MG), tendo aulas ministradas pelo professor Danilo Mezzadri e ingressando a Orquestra Acadêmica do festival.

Tem como formação Bacharelado com habilitação em Flauta Transversal, pela Faculdade Integral Cantareira (2014 – 2017).  Atualmente integra a orquestra Sinfônica de Heliópolis e trabalha como professora de Flauta dos coletivos do Instituto Baccarelli.

Professora de Harpa do Instituto Baccarelli, Soledad Yaya é apaixonada pelo instrumento desde os oito anos de idade. Formou-se no Conservatório de Música de Córdoba, tendo conquistado prêmios no Concurso Latino Americano de Harpas e no I Concurso Nacional de Jovens Harpistas. Aperfeiçoou-se com Oscar Rodriguez do Campo, Marielle Nordmann e Isabelle Moretti. Foi harpista da Orquestra Acadêmica do Teatro Colón e da Orquestra Sinfônica do Teatro Argentino de La Plata. Atuou como convidada das orquestras Sinfônica do Theatro Municipal de São Paulo, Filarmônica de Minas Gerais, Sinfônica de Brasília, Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo e Banda Sinfônica do Estado de São Paulo. Atualmente é primeira harpista da Orquestra Experimental de Repertório do Theatro Municipal de São Paulo e diretora artística do São Paulo Harp Day, projeto pedagógico internacional para difundir o ensino de harpa no Brasil. Comprometida com a realização de um novo repertório, fundou juntamente com seu marido Peter Pas (violista da Osesp) o Duo Portinari, realizando apresentações no World Harp Congress, Boston Harp Festival, o Rio Harp Fest, e a série Horizontes Musicais do Projeto Guri.

Professor de História da Música do Instituto Baccarelli, João Luiz Sampaio é jornalista, crítico musical, editor executivo da Revista Concerto e colaborador do jornal O Estado de S. Paulo, onde foi editor-assistente dos suplementos literários Cultura e Sabático e do Caderno 2. É autor das biografias Antonio Meneses: Arquitetura da Emoção e Guiomar Novaes do Brasil e organizou a coletânea de ensaios Ópera à Brasileira, entre outros livros. Já realizou coberturas jornalísticas em todo o Brasil, além dos Estados Unidos, Europa, Ásia e Oriente Médio. Mantém um blog sobre música clássica e ópera no portal Estadao.com e é colunista do site Arqfuturo. Trabalhou como curador de séries de concertos do Espaço Cultural CPFL dedicadas à música contemporânea, com foco na encomenda de obras a jovens compositores brasileiros.

Professora de Música de Câmara no Instituto Baccarelli, Cecília Moita é Natural de São Paulo, estudou no Conservatório Paulista de Música e Artes e formou-se pela Unesp. Estudou com Nelson Ayres e na Manhattan School of Music e posteriormente ganhou o Prêmio Governador do Estado de São. Atuou com Philip Smith, Sir David Willcooks, a Osesp e o grupo Swingle Singers, sob regência de Lothar Koenigs, e German Brass, além de ter participado da trilha sonora do filme Metropolis, de Fritz Lang. É pianista da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo.

Professora de educação musical no Instituto Baccarelli, Camila Ruiz é natural de Santo André e formou-se em educação musical pela FIAM/FAAM em 2008. Fez diversos cursos de aperfeiçoamento no Brasil e no exterior, com foco em música para bebês e crianças. Ministrou oficinas para crianças e professores regulares em cidades do Estado de São Paulo e foi instrutora de música na Steps Baby Lounge – Centro de Desenvolvimento Infantil. Entre 2003 e 2014 participou do Granfinale – Festival Nacional de Corais Infantis e Jovens – como organizadora e coordenadora de ensaios, envolvendo-se, inclusive, no Festival de corais do Carnegie Hall em Nova York, em 2012. Atualmente é também professora de educação musical, cursa Pós-Graduação em Educação Musical na Faculdade Cantareira e é musicista da peça Aventura de Parir Aventura de Nascer.

Professora de musicalização no Instituto Baccarelli, Delma Delcorso iniciou os estudos de piano aos 8 anos. É graduada no instrumento com Lina Pires de Campos e licenciada em Música. Atua também como pedagoga, em colégios da rede particular, pública e Apae/SP, ministrando aulas de música, artes e piano.

Pianista Correpetidor e professor de Musicalização Infantil no Instituto Baccarelli, Diego Lourenço é licenciado em música pela faculdade FMU-FIAM/FAAM.

Tem-se especializado em educação musical tanto no Brasil, quanto no exterior. Dedica-se a abordagem Orff- Shulwerk, participando de cursos e encontros em Madri (Espanha) e Salzburgo (Áustria). No Brasil realizou diversas formações nas pedagogias musicais e seus educadores.

Foi coralista no Coro Juvenil da OSESP e também no Coral USP. Atualmente canta no grupo Mosaico e participa de festivais de corais por todo o país.

Professora de Musicalização do Instituto Baccarelli, Genny Chaves é bacharel em piano pelo Conservatório Dramático e Musical de São Paulo, licenciada em Música – Educação Artística pela Faculdade Mozarteum de São Paulo – Famosp e pós-graduada em Psicopedagogia pela Uni-Sant’Anna. Realizou diversos cursos de especialização, tais como “Música e Danza na Educación” (Orff-Schulwerk) – Santander- Espanha e “Pedagogia Dalcroze e Improvisação ao Piano”, com Iramar Rodrigues, entre outros. Atua como professora de música na Educação Infantil e no Ensino Fundamental I do Colégio Imperatriz Leopoldina e regente de grupos instrumentais e vocais desde 1995. Na FAMOSP, atua desde 1989 nas turmas de Educação Artística, Pedagogia e Licenciatura em Música, e no curso de Pós-Graduação em Educação Musical. É docente do Curso Livre para a Comunidade na EMESP-Tom Jobim, onde coordenou o Departamento Infantil de 2003 a 2012. Deu aulas no Curso Emergencial de Formação de Professores da Rede Estadual de Ensino, através do Ponto de Cultura, em Joanópolis e região, além de ministrar o curso de formação de professores da rede estadual de ensino do programa “Descubra a Orquestra na Sala São Paulo” da Fundação Osesp.

Regente coral e professora de musicalização do Instituto Baccarelli, Tânia Bertassoli nasceu em Santo André, obteve bacharelado em piano pela UNESP, e licenciatura e pós-graduação em Educação Musical pela Faculdade de Música Carlos Gomes. Realizou vários cursos de especialização em Regência e em Educação Musical, destacando-se o Método Orff que realizou em Salzburg (Áustria) e o Creating Artistry na University of Butler em Indianápolis (EUA). Acompanhou maestros como Henry Leck, Carmen Rocha e Teruo Yoshida no Gran Finale – maior festival de corais infantis que acontece no Brasil desde 2001. Atualmente é regente do Coral do Colégio Fênix Santa Paula e do Coral do Espaço Cultural de Artes, tendo participado de apresentações com Toquinho, Naná Vasconcelos e com a Sinfônica de Santo André, sob a regência de Flávio Florence. Coordena o Espaço Cultural de Artes, centro de educação musical que atende bebês, crianças, jovens e adultos. Ministra cursos para a formação de professores da área de Música e da área de Educação Física com especialização em Recreação e Lazer.

Professora de oboé do Instituto Baccarelli, é natural de São Caetano do Sul e iniciou seu estudo de música aos 9 anos com violão clássico, passando a estudar oboé durante o curso livre na Fundação das Artes de São Caetano do Sul. Formou-se bacharel em música pela Universidade Estadual Paulista, em 1998. Foi integrante de diversas orquestras paulistas, como a Orquestra Jovem do Estado de São Paulo, Orquestra Experimental de Repertório, Banda Sinfônica do Estado de São Paulo e Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo. Começou a ministrar aulas de música em 1996, na Fundação das Artes, onde leciona atualmente teoria musical e oboé. Em 2012, fez parte do grupo de estudo de professores da Fundação para formulação de atividades direcionadas a alunos com deficiência. Desde 2015, participa de oficinas de formação de professores de educação musical, aplicando em suas aulas as metodologias de Shinichi Suzuki e Carl Orff.

Professora de percussão do Instituto Baccarelli, Fernanda Kremer é graduada em percussão sinfônica pela Faculdade Cantareira, na classe dos professores Elizabeth Del Grande e Ricardo Righini. Sob orientação dos mesmos, formou-se na Academia de Música da OSESP. É mestre em percussão e tímpanos solo pela Hochschule für Musik und Tanz Köln (Escola Superior de Música e Dança de Colônia), obtendo nota máxima. Em Colônia estudou na classe dos professores Carlos Tarcha, Falko Oesterle (Timpanista solo da Essener Philharmoniker) e Peter Hänsch (primeiro percussionista da Beethoven Orchester Bonn). Atua como percussionista convidada da OSESP, Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, Orquestra Filarmônica de Goiás, dentre outras. Desde março de 2014 é timpanista e percussionista solista- chefe do naipe de percussão da Orquestra Sinfônica Brasileira.

Pianista acompanhador das aulas de musicalização e coral no Instituto Baccarelli, André Repizo é formado pelo Instituto de Artes da UNESP, sob a orientação de Anna Claudia Agazzi, pelo Conservatório Dramático e Musical de Tatuí, no curso de piano erudito com Carlos Roberto Moraes (2009) e pela Emesp no curso de piano popular, sob a orientação da Prof.ª Regina Célia Carmona (2014). Frequentou diversas masterclasses, dentre elas com Flávio Varani, Cristóvão Bastos, Fábio Witkowski (USA), Gisele Nacif Witkowski (USA),

Doutoranda e mestra em Música (com linha de pesquisa em Etnomusicologia) pela ECA/USP e educadora musical formada em Licenciatura em Música também pela Universidade de São Paulo (2010). Pesquisa com as crianças guarani da aldeia Tenondé Porã (SP) as músicas e brincadeiras desta etnia indígena. Foi formadora docente de m;usica das Diretorias Regionais de Educação de Campo Limpo e Butantã da Prefeitura de São Paulo (2016 e 2017), e professora substituta no curso de Licenciatura em Música do Departamento de Artes e Comunicação (DAC) da UFSCar (2017). Realizou, em 2007, estágios em canto coral e metodologia Kodály na escola fundada por Z. Kodály (Kodály Iskola), em Kecskemét, Hungria. Possui publicações de composições e arranjos para coro infantil pela Hal Leonard Corporation. Atualmente, é educadora musical na educação básica e regente de coro infantil, com o qual participou do National Children’s Festival Chorus, no Carnegie Hall, sob regência do maestro Henry Leck e com composição selecionada para integrar o repertório do concerto (2019).

Pianista Correpetidor do Instituto Baccarelli, é bacharel em piano erudito pela faculdade cantareira, formou-se em piano popular pela EMESP (Escola de Música do Estado de São Paulo), possui licenciatura plena pela Faculdade Mozarteum de São Paulo e é pós graduando em música popular e empreendedorismo pela Faculdade Souza Lima &Berklee.  Realizou diversos cursos de educação musical e voz, destacando-se: Rítmica Dalcroze, com Iramar Rodrigues; Metodologia Kodaly, pelo Instituto Kodaly do Brasil; Oficina de percussão corporal, com o grupo “Barbatuques”; Clinicas da Voz, com o professor Vitor Gabriel (UNESP) e oficinas de educação, com o grupo “SAGE” (Inglaterra). Realizou shows e concertos como tecladista e pianista de diversas bandas e

grupos, entre eles shows com o cantor Fabiano Medeiros e concertos com a Orquestra Filarmônica Infanto-Juvenil de São Paulo. Apresentou-se em diversos locais na cidade de são Paulo, entre eles: Sala São Paulo, Teatro São Pedro, Tom Jazz, Teatro das Artes e Teatro Cultura Inglesa. Entre seus professores no Brasil estão: Daniel Matos, Fernando Tomimura, Lis de Carvalho, Cris Machado e Debora Gurgel.  Estudou Piano Jazz Performance na cidade de Montreal (Quebec, Canadá) com o renomado pianista John Rooney, pela Université de Montréal.

Pianista do Coral da Gente do Instituto Baccarelli (nível infantil e intermediário), João Marcos Maiorino é bacharel em piano popular pela FIAM-FAAM, estudou piano e harpa na Escola Municipal de Música, integrando a Big Band e Orquestra Sinfônica Jovem Municipal da Escola Municipal de Música de São Paulo. É professor e pianista correpetidor do Guri – Santa Marcelina, além de regente e arranjador da Igreja Unida em São João Clímaco.

Iniciou estudos de música aos 8 anos no Coral da Gente do Instituto Baccarelli, onde completou 13 anos como aluno, tendo integrado os níveis iniciante, intermediário e avançado. Estudou flauta transversal na mesma instituição, durante 5 anos, com Débora Sanchès e Rogério Wolf, e também atuou como primeira flauta na Orquestra Infantojuvenil Heliópolis do Instituto Baccarelli, durante 3 anos. Estuda canto lírico há 4 anos. Já teve aulas com professora Claudia Cruz, durante 2 anos, e atualmente é bolsista de canto lírico na instituição, tendo Érika Muniz como professora. Também é estudante de piano (erudito/popular) no Instituto Baccarelli, com Juliana Ripke, e atua como pianista correpetidor nas aulas de musicalização infantil da instituição. Atualmente cursa Licenciatura em Música na faculdade FMU FIAM-FAAM.

Natural de São Paulo, iniciou seus estudos de piano aos 4 anos. Em 1985 bacharelou-se pela Unesp no curso de Educação Artística com habilitação em Música. Simultaneamente, seguiu seus estudos de órgão, piano popular e erudito. Em 1995, freqüentou o Curso de Arranjo e Improvisação com Nelson Ayres e em 1997, curso de Jazz – JVC, na Manhattan School of Music (Festival de Jazz de Nova York). Em 2017 concluiu o curso de Pós-graduação na Faculdade Santa Marcelina em pedagogia do piano.

Desenvolve amplo trabalho de camerista, tendo acompanhado em recitais e Master Class músicos como: Philip Smith , Alexandre Baty (trompete), e Emmanuel Pahud (flauta),Pierre Volders(trombone), Jason Bergman(trompete) e Julian Rachlin (violino), Jorgen van Rijen.(trombone), Pacho Flores.(trompete), e Adrian Welleman (trombone).

Em maio de 2015 realizou recital com Daniel Auner(violino) no Brasil e em Viena- Áustria. Em julho de 2016 acompanhou o trombonista Gyorgy Gyivicsán em concerto no Festival de Inverno Campos do Jordão, e em agosto em concertos no Encontro Internacional de Trompetes com Renato Longo(Brasil), David Krauss(EUA) e Russell(Montreal).Em 2017 tocou em recitais com os trombonistas:Peter Steiner, Alain Trudel no encontro Internacional de Trombonistas, realizado em São Paulo. Atuou como solista nas seguintes orquestras : Orquestra Jovem Estadual Maestro Eleazar de Carvalho, Orquestra Filarmônica de São Bernardo do Campo, Orquestra de Campinas, Orquestra Jazz Sinfônica ,Orquestra Sinfônica Municipal, e com a Orquestra Petrobrás Sinfônica. Em 2011 e 2012 atuou como pianista acompanhadora do programa “Pré estréia”, gravado pela TV Cultura. De 2006 até 2014 foi pianista acompanhadora dos alunos do curso de metais da EMESP.

Atualmente é pianista da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo e pianista correpetidora no Instituto Baccarelli.

Pianista Correpetidora das aulas de Musicalização e Coral Infantil do Instituto Baccarelli, Marina Lutz é formada em Licenciatura pela FIAM FAAM e formada em Piano Popular na FASCS sob a Orientação do Professor Mario César Pereira.

Fez cursos de formação em Educação Musical Orff-Schulwerk em Salzburg na Áustria e ao redor do Brasil com Rítmica Dalcroze, Metodologia Kolady e Oficinas de Percussão Corporal com o grupo Barbatuques. Em 2015 estudou Teatro Musical na Instituição TeenBroadway e  Curso Básico de Teatro na FASCS.

Hoje também atua como Educadora Musical e pianista correpetidora no ABC.

Sâmela Vieira estuda no Instituto Baccarelli desde 2007. Começou sua trajetória integrando as turmas de coral, e, hoje, participa do nível mais avançado deste programa. Estudou clarinete, tendo integrado a Orquestra Infantojuvenil Heliópolis, e, em 2012, optou por se dedicar ao piano. Hoje, tem aulas deste instrumento com o professor Otávio Piola. Sâmela cursa licenciatura em Música pela universidade FIAM-FAAM, e é pianista correpetidora das turmas de musicalização infantil do Instituto Baccarelli, além de acompanhar, também ao piano, recitais apresentados na instituição.

Pianista do Instituto Baccarelli, Thiago Tognoli Neves iniciou os estudos musicais aos 7 anos com professor particular, pouco tempo depois migrou para o conservatório, onde se formou técnico em instrumento. Aperfeiçoou-se no Conservatório Dramático e Musical Carlos de Campos em Tatuí (São Paulo), e posteriormente seguiu para a Universidade Estadual-UNESP, onde concluiu bacharelado em instrumento. Mais tarde formou-se em piano popular pela Universidade Livre de Música (hoje Escola de Música do Estado de São Paulo – EMESP Tom Jobim). Atualmente, é pianista colaborador em outros programas, além de atuar também como convidado em eventos e teatros diversos.

Estuda Teatro na Escola de Arte Dramática – ECA/USP. Formado em Direção pela SP Escola de Teatro. Ator formado pelo Curso Técnico SENAC/SANTOS (2009). Cursou 4 semestres de Teatro (Bacharelado e Licenciatura) na Universidade Anhembi Morumbi (2011). Trabalha como ator há 16 anos, com destaque para: Gota d’água – Orientação de José Renato – Cia Art & Manha; A Falecida – Direção de Nelson Baskerville – Teatro do Kaos. Como arte educador ministrou aulas na Vivartte – Escola de Artes (São Paulo), Canto em Movimento – Sesi (Cubatão, Santos, Osasco, Cotia e Santana de Parnaíba), projeto idealizado por Reynaldo Puebla e CAMPS (Cubatão e São Vicente). Foi coordenador artístico do projeto de formação de atores do grupo Teatro do Kaos (2011-2012), patrocinado pela Petrobrás e professor de Expressão Vocal na mesma Instituição. Atualmente é artista do Coletivo 302, além de ser o responsável pela programação do Galpão Cultural, espaço de resistência artística.

Bailarina graduada pela Escola de Ballet Coppelia de São Paulo e atriz formada pela Oficina de Atores Nilton Travesso (SP), tem também formação em fisioterapia pela UNIBAN (SP) com aprofundamento de  estudos na prática de Pilates pela Metacorpus (RJ).

Atua profissionalmente na área artística desde 1993.

No teatro musical esteve como assistente de direção e coreografia nos espetáculos My Fair Lady e Nuvem de Lágrimas, como diretora e coreógrafa residente em Menino Maluquinho – o Musical, em Priscilla – Rainha do Deserto como Company Manager, Evita como assistente de coreografia e dance captain e O Rei e Eu como ensemble. Como atriz e bailarina integrou a Cia. Centopeia de Teatro participando de diversos espetáculos infantis. Dentre os trabalhos como bailarina estão turnês de shows pelo Brasil, programas de TV e cruzeiros pela Ásia.

Regente titular da Orquestra Juvenil Heliópolis e regente adjunto da Orquestra Sinfônica Heliópolis, Edilson Ventureli iniciou os estudos de piano aos cinco anos. Aos treze, ingressou no Coral Baccarelli e, sete anos mais tarde, tornou-se preparador e regente associado da Orquestra de Concertos de São Paulo e do Coral Baccarelli – posição que ocupou até 2003. Aperfeiçoou-se em regência orquestral com Ira Levin (2004-05), Roberto Tibiriçá (2005-10) e, desde 2010, é orientado por Isaac Karabtchevsky, diretor artístico e regente titular da Orquestra Sinfônica Heliópolis. Nos últimos anos, participou regularmente do Musica Riva Festival (Itália), onde regeu a World Youth Orchestra, a SYOA – State Youth Orchestra of Armenia (Orquestra Juvenil Estatal da Armênia), Orquestra Reino de Aragón (Espanha) e LVIV Philarmonic Orchestra (Ucrânia). Em 2015 foi homenageado pela Câmara Municipal de São Paulo em reconhecimento pelo trabalho desenvolvido no Instituto Baccarelli e, em 2016, condecorado pela ordem Carlos Gomes em reconhecimento pela atuação como maestro.

Diretor artístico do Instituto Baccarelli e regente titular da Orquestra Sinfônica Heliópolis desde 2011, Isaac Karabtchevsky tem sido um dos grandes responsáveis pelo salto qualitativo dessa Orquestra. Indicado, em 2009, pelo jornal inglês The Guardian como um dos ícones vivos do país, Isaac nasceu em São Paulo e estudou regência e composição na Alemanha, sob orientação de Wolfgang Fortner, Pierre Boulez e Carl Ueter. Atuou como regente titular e diretor artístico em prestigiadas orquestras e teatros internacionais, como a Petrobras Sinfônica do Rio de Janeiro (desde 2004); Sinfônica de Porto Alegre (2003 a 2010); Orchestre National des Pays de la Loire, na França (2004 e 2009); Orquestra Tonkünstler, de Viena (1988 a 1994); Teatro la Fenice, em Veneza (1995 a 2001); Orquestra Sinfônica Brasileira (1969 a 1996). Recebeu a medalha do Mérito Cultural do governo austríaco e a comenda Chevalier des Arts et des Lettres do governo francês, além de condecorações de praticamente todos os estados brasileiros. Foi um dos criadores do Projeto Aquarius, o maior movimento de popularização da música clássica no Brasil. Desde essa experiência, nunca abandonou sua vocação de disseminar a música clássica e mantê-la viva, encontrando na Orquestra Sinfônica Heliópolis a parceira perfeita.

Regente do Coral da Gente do Instituto Baccarelli (nível iniciante), Arthur Perissinotto é natural de São Paulo, concluiu a Docência em Música na FAAM – Faculdades de Artes Alcântara Machado e frequentou cursos de musicalização infantil e prática pedagógica com Teca Alencar, Lídia Hortélio, Sofia López e Mara Campos. Foi barítono do Coral Zanzalá – Municipal de Cubatão e regente no projeto Canto em Movimento – parceria do SESI com a cooperativa Paulista de Teatro – para o ensino fundamental. Atualmente, é regente também do Coral Souza Lima Moema, professor de teoria musical e iniciação ao violão, no Espaço Cultual de Artes de São Caetano, além de professor de musicalização infantil no Conservatório Souza Lima.

Preparadora vocal e regente do Coral da Gente do Instituto Baccarelli (nível iniciante), Claudia Cruz é cantora lírica, tendo já participou do Coro da Osesp, à época sob direção de Naomi Munakata. Atualmente desenvolve repertório de soprano lírico com a professora Laura de Souza. Iniciou os estudos musicais ao piano, na Escola Municipal de Música de São Paulo, com a professora Maria Elisa Bologna e concluiu em 1998 o bacharelado em piano no Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista-UNESP. Compila e idealiza vocalizes, tornando-os apropriados ao desenvolvimento vocal de cada faixa etária. Em 2016 concluiu seu curso de aperfeiçoamento no CEV (Centro de Estudos da Voz), com a Dra. Mara Behlau, sobre perspectivas da expressão vocal: saúde, ciência e artes, e deu início a um curso de pós-graduação na Faculdade Cantareira, sob coordenação pedagógica de Aída Machado.

Regente do Coral da Gente (turmas Infantis), natural de Jundiaí-SP e doutora e mestra em Música pela UNICAMP, Juliana é graduada em Licenciatura em Educação Musical pela UNESP e tem atuado como cantora, regente e preparadora vocal de coros infantis e juvenis. Aperfeiçoou-se em pedagogia coral e regência no festival “Creating Artistry” (Butler University – EUA) com o maestro Henry Leck, além de ter participado de outros grandiosos eventos.

Regente do Coral da Gente do Instituto Baccarelli (nível avançado), Maíra Ferreira é pós-graduada pela Universidade Butler em Indianápolis (EUA), onde concluiu o mestrado em regência, especializando-se em coros infantis e jovens com os maestros Henry Leck e Eric Stark. Entre 2013 e 2015, atuou como regente assistente do Butler University Choir, regido por John Perkins, foi pianista correpetidora do Butler Chorale, regido por Eric Stark, e do Butler Opera Theater. Como parte de sua especialização em coros infantis, atuou no Indianapolis Children’s Choir, grupo com grande destaque no cenário mundial da música coral. É bacharel em regência e em piano pela UNICAMP, além de regente do Projeto Musicalizando, grupos com os quais se apresenta nos mais tradicionais palcos de São Paulo e em diversos festivais de música.

Coordenadora pedagógica e regente do Coral da Gente do Instituto Baccarelli (nível intermediário), Silmara é natural de Jundiaí e iniciou sua formação musical aos 5 anos, na Associação de Música Pio X. Especializou-se em Pedagogia Musical Infantil, na École de Musique Martenot, na França (1986-87); em Regência Coral na Butler University, nos EUA (2000 e 2007 e 2011), e formou-se em Licenciatura Plena em Música pela Faculdade de Música Carlos Gomes, em São Paulo, e em piano, pelo Instituto Gomes Cardim, em Campinas. Silmara também é regente do Coral Cênico Infantil Dons & Tons e do Coral Infanto Juvenil ThyssenKrupp. Já participou de óperas como Magdalena, de Villa-Lobos, La Bohème, de Giacomo Puccinni, Carmen de Georges Bizet, Tosca de Giacomo Puccini, e também de composições como a Sinfonia nº 3 de Mahler. Silmara participou de workshops com renomados profissionais nacionais e internacionais, como Abel Rocha, David Junker, Iramar Rodrigues, Henry Leck, Francis Delvin, Jean-Jacques Margueritat, entre outros.

Regente coral e professora de musicalização do Instituto Baccarelli, Tânia Bertassoli nasceu em Santo André, obteve bacharelado em piano pela UNESP, e licenciatura e pós-graduação em Educação Musical pela Faculdade de Música Carlos Gomes. Realizou vários cursos de especialização em Regência e em Educação Musical, destacando-se o Método Orff que realizou em Salzburg (Áustria) e o Creating Artistry na University of Butler em Indianápolis (EUA). Acompanhou maestros como Henry Leck, Carmen Rocha e Teruo Yoshida no Gran Finale – maior festival de corais infantis que acontece no Brasil desde 2001. Atualmente é regente do Coral do Colégio Fênix Santa Paula e do Coral do Espaço Cultural de Artes, tendo participado de apresentações com Toquinho, Naná Vasconcelos e com a Sinfônica de Santo André, sob a regência de Flávio Florence. Coordena o Espaço Cultural de Artes, centro de educação musical que atende bebês, crianças, jovens e adultos. Ministra cursos para a formação de professores da área de Música e da área de Educação Física com especialização em Recreação e Lazer.

Professor do Instituto Baccarelli, o paulistano iniciou seus estudos em trombone com seu pai, também trombonista, Reinaldo Gianelli no Conservatório Dramático e Musical Dr Carlos de Campos em Tatuí no ano de 1979 com supervisão paralela dos professores Piter Cirelli, EUA e Gilberto Gagliardi na Escola Municipal de Musica de São Paulo no período de 1981 a 1983. Ocupa o cargo de primeiro trombone junto a Orquestra Sinfônica Municipal desde 1983.

Graduado em Música pela Faculdade Mozarteum de São Paulo/SP, tem se dedicado intensamente ao estudo de trombone com cursos em festivais de musica Tatuí-SP – 1995-2006-2007, Morretes PR-2004, Londrina PR em 2005-2006- 2007-2008-2009-2010-2011-2012-2013.

 

Professor de trompa e de música de câmara do Instituto Baccarelli, Mario Rocha iniciou os estudos musicais aos oito anos de idade, orientado pelo pai. Cursou o Conservatório Dramático e Musical de Tatuí, sua cidade natal, além de ter estudado com Enzo Pedini (na Escola Municipal de Música de São Paulo), com Daniel Havens e Charles Cornish. Bacharel em trompa pela Faculdade Mozarteum de São Paulo, foi primeira trompa da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo por 30 anos. Atualmente integra a Orquestra Sinfônica de Santo André como primeira trompa.

Professor de trompete do Instituto Baccarelli, Carlos Sulpício é natural de Marília (SP). Doutor em música pela UNESP, Mestre em Brass Performance pela Boston Universisity, School for the Arts, Bacharel em trompete pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Durante sua carreira, Integrou diversas formações musicais nos Estados Unidos, entre elas Civic Symphony of Boston, Lexington Sinfonieta, Boston University Symphony Orchestra e ALEA III. No Brasil, Sinfônica do Teatro Municipal de São Paulo, Amazonas Filarmônica, Sinfônica de Ribeirão Preto, Filarmônica de São Bernardo do Campo e Bachiana Filarmônica. Participou do 1o Festival Internacional de Música em Kyoto no Japão em 1993. Atuou como solista na Orquestra Sinfônica da USP, Filarmônica de São Bernardo do Campo, Amazonas Filarmônica, Sinfônica de Ribeirão Preto e Orquestra Acadêmica da UNESP. Realizou inúmeras premières de compositores Brasileiros, incluindo a gravação do CD do Grupo Novo Horizonte o qual recebeu o prêmio da APCA de 1993. Atualmente, é professor, além do Instituto Baccarelli, da Faculdade Santa Marcelina, da Escola de Música de São Paulo, e músico convidado do Theatro Municipal de São Paulo.

Professor de trompete do Instituto Baccarelli, Silvio iniciou os estudos com o maestro Roberto Farias em Cubatão (SP). Mais tarde foi para São Paulo, teve aulas com seu Reginaldo Farias e concluiu o curso de Bacharelado em Trompete na Faculdade Mozarteum de São Paulo. Foi orientado em cursos por Gilberto Siqueira (Osesp); Nailson Simões (Unirio); Anor Luciano; Wynton Marsalis; Walter Hamberg (Chicago); Fred Mills (Canadian Brass); Malte Burba; Charles Schlueter (Boston Symphony); Philip Jones Brass Ensemble (England);Mathias Wolf (German Brass). Como convidado, tocou com orquestras como a Osesp, Sinfônica do Teatro Municipal de São Paulo, Sinfônica do Paraná, Orquestra de Câmera Nova Sinfonietta; Metal Brasil. Atuou como primeiro trompete da Orquestra Sinfônica de Santo André durante cinco anos e atualmente é trompetista do Quinteto Metal Arte, além de solista em recitais.

Ex-integrante da Orquestra Sinfônica Heliópolis, Thiago de Araújo tornou-se professor de trompete do Instituto Baccarelli. Iniciou seus estudos com seu pai, Waldevino Cardoso de Araújo. Foi aluno da Universidade Livre de Música (ULM), do Instituto Baccarelli (durante 7 anos), e da Academia de Música da Osesp. Atuou como primeiro trompete da Orquestra Sinfônica Heliópolis (de 2011 a 2014), onde venceu o Concurso de Jovens Solistas. Foi vencedor do primeiro Concurso Brasileiro de Trompetes. Atualmente integra a Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal de São Paulo.

Professor de viola do Instituto Baccarelli e regente da Orquestra Infantil Heliópolis e Orquestra Preparatória Heliópolis, estudou com Alejandro de Leon (EMESP) e com Emerson de Biaggi (UNESP). É professor pela metodologia Suzuki orientado por Edward Kreitman e Shinobu Saito, e regente atual da Filarmônica do Humanismo Ikeda. Foi aluno dos maestros Carlos Moreno e Roberto Tibiriça. Participou de cursos de regência com Isaac Karabtchevsky, Fabio Mechetti, Andrea Botelho, Dario Sotelo, Matthew George, entre outros. Esteve à frente da Orquestra de Cordas da EMESP, Filarmônica de Goiânia, Sinfônicas de Curitiba e Londrina, além da Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí. Começou seus estudos na Associação Brasil Soka Gakkai Internacional. Foi membro da Orquestra Experimental de Repertório, da Orquestra de Santo André, da Orquestra da UNESP e do Quarteto UNESP, além de ter participado da Orquestra da Rádio Cultura, a Filarmônica de São Bernardo e a Camerata Fukuda.

Professor de viola e música de câmara do Instituto Baccarelli, Gabriel Marin é também violista do Quarteto Carlos Gomes e da Orquestra Sinfônica da USP. Possui vasta experiência no universo da música orquestral e de câmara, tendo representado o Brasil nas Orquestras Jovens do Mercosul e das Américas, com as quais atuou em concertos nas principais salas de treze países das Américas. Ganhou o Prêmio Eleazar de Carvalho no Festival de Inverno de Campos do Jordão, e uma bolsa integral de estudos para se aperfeiçoar na Academia de Música Carl Nielsen, na Dinamarca. Foi violista da Orquestra Sinfônica de Odense e participou do Festival de Verbier, na Suíça. É um dos fundadores do Encontro Campestre de Violas.

Coordenador pedagógico e professor de viola, iniciou seus estudos na Escola de Música de Piracicaba aos 4 anos. Aos 8 ingressou no violino e aos 16 foi premiado no XV Concurso Jovens Solistas do Brasil. Posteriormente, graduou-se bacharel em violino pela Unesp, e em viola pelo Conservatório de Amsterdam (Holanda). Neste período, teve aulas com Ayrton Pinto, Elisa Fukuda, Jürgen Kussmaul e Mikhail Zemtsov. Também teve masterclasses com Sven Arne Tepl, Michael Gieler e Nobuko Imai. De 2009 a 2013 foi integrante da Sinfonia Rotterdam, realizando concertos por toda a Holanda, pela Europa, América do Sul e Rússia e participando também de gravações de CD’s e DVD’s. Participou de festivais de música no Brasil, Holanda, França e Alemanha. Em 2015, Ernst Mahle compôs e dedicou a ele seu Concerto para Viola e, em 2016, a obra foi estreada por Visockas em apresentação com a Orquestra Sinfônica de Piracicaba, sob regência do próprio compositor. É um dos fundadores do Encontro Campestre de Violas, e membro da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo.

Professor de viola do Instituto Baccarelli, é mestre pela Universidade das Artes de Berlim, na Alemanha, onde durante sua estadia de sete anos atuou como violista convidado da Orquestra Filarmônica de Berlim, com a qual gravou diversos CDs e DVDs, sob regência de Claudio Abbado, Daniel Barenboim, Seiji Ozawa, Günter Wand, Zubin Mehta, Bernard Haitink, Simon Rattle, Nikolaus Harnoncourt entre outros. Integrou a Ensemble Oriol Berlin, realizando concertos na Alemanha, México, Portugal. Atuou como músico convidado na Orquestra Gulbenkian de Lisboa, Portugal. De 2009 a 2018, trabalhou como coordenador pedagógico na Santa Marcelina Cultura, sendo responsável pelo Núcleo de Música Antiga, Ópera Estúdio, Orquestra e Banda Jovem do Estado de São Paulo, Coral Jovem do Estado de São Paulo e pela Escola de Música do Estado de São Paulo.

Professora de viola, Roberta Marcinkowski, iniciou os estudos musicais aos seis anos de idade e formou-se em piano aos 15, pelo Conservatório Musical Villa-Lobos, em Osasco. No mesmo ano, iniciou os estudos de viola, sob orientação do maestro João Maurício Galindo no SESC. Em 2003, formou-se em Viola pelo Departamento de Música da ECA-USP.Foi aluna de Marcelo Jaffé, Horácio Schaefer, Paulo Bosísio, Laura Wilcox, Laércio Diniz e Renato Bandel e professora no Conservatório de Cubatão, SP e no Projeto Guri. Integrou a Amazonas Filarmônica, a Jazz Sinfônica e a orquestra da tournée do artista Egberto Gismonti pelo Brasil, além de ter participado de shows e gravações com Toquinho e Vânia Bastos. Em 2003, apresentou-se em várias cidades da Dinamarca com a cantora e compositora Maria Petersen. Atualmente, integra o Quarteto Wolfgang e a Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo (desde 1999).

Professora de aulas de viola em coletivo no Instituto Baccarelli desde 2014, Tatiana Paciello é bacharel em Viola pela Unesp (2002) e estudou com Emerson de Biaggi, Marco Antonio Lavigne e Adriana Schincariol. Participou de vários Festivais de Música no Brasil, tendo aulas com Horácio Schaefer, Renato Bandel, Wilfried Strehle e Kimberly Fredenburgh. Foi violista da Experimental de Repertório e da Sinfônica de Santo André. Participou de vários cursos sobre Pedagogia Suzuki no Brasil, Perú e Estados Unidos, incluindo a participou da formação para professores de cordas coletivas na Universidade de Ohio, com Robert Gillespie. Há mais de dez anos tem se dedicado à pedagogia de cordas infantil, trabalhando em vários projetos, como no Projeto Guri, Toca, Zezinho, Projeto Passarim e também no Colégio Santo Américo.

Regente assistente da Orquestra Juvenil Heliópolis e professor de violino do Instituto Baccarelli, André estudou com Amílcar Carfi, Marcello Guerchfeld, Cecilia Guida, Paulo Bosísio e Alberto Jaffé. Em 1990 ingressou na UNICAMP no curso de bacharelado em violino na classe de Nathan Schwartzman. Especializou-se em cursos com Chaim Taub, Robert McDuffie e Nicolas Chumachenco – este último como bolsista da Fundação Vitae. Foi violinista da Sinfônica de Campinas e spalla das orquestras Sinfônica Jovem de Campinas, Sinfônica de Santo André e de Câmara de Indaiatuba. Membro do quarteto Darcos desde a sua fundação, gravou o Cd Carlos Gomes Ano Cem e se apresentou em diversos festivais como o de inverno de Campos do Jordão e em tournée por todo o Brasil, Argentina, México e Eua. Atuou como instrutor de cordas da Camerata Acadêmica do Mercosul, com sede na Argentina, e integrou o corpo docente da Orquestra Sinfônica Jovem do Mercosul. É violinista da orquestra de Câmara Villa-Lobos, membro do Quinteto Brasileiro de Cordas e participou como músico convidado da Osesp em turnês e gravações de CDs. Desde 2000 participa como professor no Festival Música nas Montanhas em Poços de Caldas.

Professora de violino no Instituto Baccarelli, iniciou seus estudos em 1996, na própria instituição. Participou de festivais como o Música nas Montanhas (Brasil), em 2008, e o Beethovenfest (Alemanha), em 2010. Realizou uma turnê com a Orquestra Sinfônica Heliópolis pelas cidades de Bonn, Munique, Dresden e Berlim (Alemanha), Amsterdã (Holanda) e Londres (Inglaterra). Participou de masterclasses com grandes violinistas como Shlomo Mintz e Julian Rachlin. Além da regência de Isaac Karabtchevsky, titular da Orquestra Sinfônica Heliópolis, já foi conduzida por maestros como Roberto Tibiriçá, Zubin Mehta, Peter Gülke, Yutaka Sato, Claudia Feres e Edilson Ventureli, e já se apresentou com artistas como João Bosco, Toquinho, Luis Melodia, Paula Lima, Arlindo Cruz, Diogo Nogueira, Spok, Milton Nascimento, Diogo Nogueira entre outros. Denise é licenciada em música pela Faculdade Cantareira, e também é professora na UNIBES.

Filho de músicos, o professor de violino do Instituto Baccarelli, Edgar Leite, começou os estudos musicais aos oito anos de idade com seu pai. Em seguida, estudou com Yoshitame Fukuda, Márcia Fukuda, Elisa Fukuda, Esdras Rodrigues e Pablo de León. É bacharel em violino pela UNESP, além de ter feito PPC (Professional Performance Certificate) e mestrado em violino pela Lynn University, EUA, como aluno de Sergiu Schwarts, Elmar Oliveira e Carol Cole. Participou de diversos festivais de música como Festival de Inverno de Itu, Campos do Jordão, Juiz de Fora, Stringendo e foi vencedor por dois anos consecutivos do concurso jovem solistas da Orquestra Experimental de Repertório. Integrou a Orquestra Experimental de Repertório, Camerata Fukuda, Camerata de Jundiaí, Filarmônica de São Bernardo do Campo, Camerata Bank Boston e Osusp. Nos Estados Unidos exerceu grande atividade camerística como primeiro violino do Jade String Quartet, tendo se apresentado em diversas cidades. Foi membro das orquestras ACO (Atlantic Classical Orchestra), Philharmonia Orchestra Lynn University, Lynn Chamber Orchestra, Sinfônica das Américas e Treasure Coast Opera. Atualmente é violinista da Sinfônica do Municipal de São Paulo, primeiro violino do Quarteto Quadrus Chordarum e professor da Faculdade Santa Marcelina.

Professor de ensino coletivo de violino do Instituto Baccarelli e regente da Orquestra Preparatória Heliópolis, Fábio é natural de São Paulo, estudou violino na Escola de Música de São Paulo (EMESP), na Faculdade de Artes Alcântara Machado (FAAM-FMU) e também na Faculdade Mozarteum de São Paulo (FAMOSP), com os professores John Splinder e Ênio Antunes. É professor Suzuki, tendo realizado cursos com Shinobu Saito, em Campinas, e com Nancy Loken e Edward Kreitman, nos Estados Unidos. Desde 2002, desenvolve pesquisas sobre ensino coletivo de cordas. Participou de masterclasses com professores como Walter Sharaiber (Alemanha), Salomão Rabinovtz (Bahia), entre outros, realizando um trabalho com base na pesquisa dos sons. Atualmente, é também coordenador técnico artístico pedagógico de cordas no Projeto Guri.

Professor de violino e coordenador do programa de ensino coletivo de cordas do Instituto Baccarelli, José Marcio Galvão estudou na Escola Municipal de Música de São Paulo e na Faculdade Alcântara Machado no curso de Licenciatura em Música. Foi aluno do professor e violinista Ayrton Pinto. É professor certificado e membro da Suzuki Association of the Americas (SAA). Seu trabalho com o Método Suzuki inclui participações em cursos de formação em países como o Peru, Brasil e Argentina. Possui grande experiência na área pedagógica, com ênfase em ensino coletivo de cordas friccionadas e Método Suzuki. Atuou como coordenador artístico-pedagógico, supervisor educacional e educador musical do curso de cordas friccionadas do Projeto Guri.

Professor de violino do Instituto Baccarelli, Juan Rossi é natural de Florianópolis (SC) e iniciou os estudos do instrumento aos oito anos de idade, com Jeferson Della Roca. Em 2008, formou-se bacharel, sob orientação da professora Elisa Fukuda e foi vencedor do Concurso Cantareira de Violino. Deu continuidade aos estudos na Universidade Mozarteum Salzburg, na Áustria, com bolsa de estudos do Governo do Estado de Santa Catarina, em 2012, na classe dos professores Benjamin Schmid e Alexander Grothe. Foi integrante de diversas orquestras, dentre elas a Philharmonie Salzburg, Orquestra de Câmara de Berlim e spalla da Orquestra Filarmônica de São Caetano do Sul. Atualmente é professor também do Instituto Fukuda, integrante do The Berlin Quartet, do Quinteto 5!, do Duo Rossi, com o pianista Pablo Rossi, e músico da Sinfônica Municipal de São Paulo.

Professora de violino do Instituto Baccarelli desde 2015, Marcia Fukuda é natural de São Paulo, iniciou os estudos aos oito anos de idade com Yoshitame Fukuda e posteriormente com Elisa Fukuda. Ganhadora de vários concursos “Jovens Musicistas”, foi solista da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e da Orquestra Sinfônica Jovem Municipal de São Paulo. Participou de masterclasses com Roman Nodel (Alemanha), Rodolfo Bonucci (Itália), Paulo Bosisio e Marcello Guerchfeld (Brasil) bem como aulas de Música de Câmara com Walter Bianchi (Brasil), Quarteto Takács (Hungria). Em 1991 continua os estudos na Suíça no Conservatório de Musica de Genebra na classe de Corrado Romano. Integra o Corpo Docente do Instituto Fukuda desde 1999 é membro do Corpo Docente da Escola Municipal de Musica de São Paulo.

Professor no Instituto Baccarelli, orientador do naipe de violinos da Orquestra Sinfônica Heliópolis e regente da Camerata Heliópolis, o violinista norte-americano Matthew Thorpe tem desenvolvido sólida carreira como violinista, professor, músico de câmara e de orquestra, o que já o levou a se apresentar em mais de 20 países. Concertino da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), foi convidado para tocar com chefe de naipe na Orquestra Sinfônica de Galícia e na Orquestra Sinfônica de Tenerife, na Espanha, e em 2014 fez sua estreia israelense como solista com o Israel Philharmonic Soloists em Tel Aviv. Matthew já integrou as orquestras da Ópera e do Theatro de Pittsburgh, foi um dos spallas da New World Symphony (Miami, Florida) sob a batuta do maestro Michael Tilson Thomas, além de ter sido premiado em diversos concursos nos EUA.

Professor de violino do Instituto Baccarelli, Pedro Della Rolle é mestre pela Universidade de São Paulo em música, graduado pela Trinity College of London em Performance violinista. Premiado nos principais concursos nacionais de música, gravou ao lado de nomes importantes no cenário musical brasileiro. Ocupa-se com pesquisa e ensino do instrumento, sem deixar de ser um músico versátil e atuante em diferentes linguagens musicais. Sobre ele, Paulo Bosísio declarou: “Della Rolle possui um talento especial, uma apuradíssima técnica e um som de absoluta e inquestionável beleza”.

Professora de violoncelo do Instituto Baccarelli, natural de São Paulo, Adriana Lombardi iniciou seus estudos no Conservatório de Tatuí, sob a orientação do professor Eduardo Bello. Em 2001, foi aceita no Instituto de Artes UNESP onde graduou-se, em 2004, sob a orientação dos professores Zigmunt Kubala e André Micheletti.  Em 2005, Adriana recebeu bolsa integral por quarto anos pela Lynn University (EUA), onde completou o curso de mestrado e professional performance certificate, sob a orientação do professor David Cole. Mudou-se para Chicago em janeiro de 2010, onde se aperfeiçoou com o professor Hans Jensen e foi aceita como membro associado da Civic Orchestra (Orquestra Jovem associada à Chicago Symphony). Obteve o teacher certificate para o Método Suzuki, sob a orientação da professora Tania Carey. Atuou como convidada nas orquestras OSUSP, OSESP e OSM. Atualmente também é professora da EMESP, do Colégio St. Paul’s, e violoncelista da Orquestra Jazz Sinfônica de São Paulo.

Professor de violoncelo no Instituto Baccarelli, Marcos iniciou os estudos musicais no Coral da Gente do Instituto Baccarelli, aos 10 anos de idade. Aos 13 anos, paralelo aos estudos de canto, começou a estudar violoncelo com Paulo Tacetti e, posteriormente, com Fábio Presgrave. Em 2008, passou a ser orientado por Eduardo Bello e a receber aulas de didática do ensino com o mesmo professor. No mesmo ano, tornou-se professor-assistente no Instituto Baccarelli, realizando os ensaios de naipe das orquestras Infantil e Juvenil.

Durante sua trajetória tocou na Orquestra Sinfônica Heliópolis, onde foi chefe de naipe por quatro anos consecutivos, regido por Roberto Tibiriçá e Isaac Karabtchevsky. Em 2009, participou de um festival na Espanha com a Orquestra Iberoamericana, sob a regência de Gustavo Dudamel. Participou de vários shows com renomados músicos da música popular brasileira, como Luiz Melodia, Fafá de Belém, João Bosco e Lenine. Desde 2014 é membro da Orquestra Sinfônica de Santo André, regida pelo Maestro Abel Rocha. Atualmente tem se especializado no método Suzuki para o ensino coletivo de instrumentos.

Professor de violoncelo no Instituto Baccarelli, Cesario é mestre pela USP, e obteve o diploma de Perfectionnement por unanimidade e felicitações do Júri no Conservatoire départemental du Val de Biévre (Paris), na classe do renomado violoncelista francês Romain Garioud. Premiado em diversos concursos, também teve aulas com Antonio Meneses, Alisa Weiterstein, Peter Szabo, Dennis Parker, Pieter Wispelwey, Sol Gabetta, entre outros. Músico camerista, atuou como solista frente à Orquestra do Theatro São Pedro, Orquestra Sinfônica de São José dos Campos, Camareta Fukuda, Orquestra Acadêmica de São Paulo, entre outras. Em 2017 atou, em Trancoso, como solista e camerista ao lado de renomados músicos como o violinista Lorenz Nasturica (spalla da Filarmônica de Munique), o flautista Mathieu Dufour e o oboísta Andreas Wittmann, ambos membros da Filarmônica de Berlim.

 

Professor de violoncelo do Instituto Baccarelli, Rodrigo nasceu iniciou os estudos musicais aos seis anos com Jean-Jacques Pagnot no Instituto de Artes da UFRGS. Estudou com Steven Thomas na Hartt School e formou-se pela Juilliard School em Nova York, onde foi aluno e assistente de Ardyth Alton. Foi bolsista das duas escolas assim como do projeto Apartes/CAPES do MEC e da Fundação Vitae de Apoio à Cultura. Tem atuado como solista das mais importantes orquestras do país. Como camerista, foi membro do Quarteto Cordis e Quarteto Porto Alegre, além de ter colaborado com artistas como Bernard Greenhouse, Hai-Ye Ni, Sydney Harth, Roberto Díaz, Öle Krysa, Eric Rosemblith, Cláudio Cruz, Emmanuele Baldini, Lev Veksler, entre outros. Premiado em vários concursos nacionais, realizou inúmeros concertos e gravações nas maiores salas de concerto brasileiras e estrangeiras como Carnegie Hall, Alice Tully Hall, Avery Fischer Hall, Musikverein, Kölner Philharmonie, Ópera de Frankfurt, Auditório Nacional de Música de Madrid, entre outros. Foi membro e cello principal da Juilliard Symphony e Juilliard Orchestra, assim como membro da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre. Em 2007 lançou o álbum solo Convergências, com obras de compositores brasileiros, pelo qual foi agraciado com três prêmios “Açorianos”. Atualmente é violoncelista da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e membro do Quarteto Romanov.

Professor de violoncelo do Instituto Baccarelli, Tiago Oliveira também é professor e coordenador geral do Centro Suzuki São José dos Campos, realizando cursos de formações com Patricia Pasmanter e David Ewenchik. Desenvolve intensa pesquisa no campo pedagógico do instrumento, e organiza o Workshop Paul Rolland. Com especialização em psicopedagogia e psicomotricidade, pela Unisal, licenciatura em educação musical, pela Unincor e educação artística, pela Fasc, formou-se em violoncelo no conservatório municipal Fêgo Camargo, sob orientação de Clodoaldo Leite Junior, Gretchen Muller e Andre Micheletti. Foi supervisor educacional do curso de cordas friccionadas do Projeto Guri.

Conheça nossos patrocinadores

 

Ouro

Prata

Bronze

Apoio

Realização

@ COPYRIGHT 2016 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS